Receba matérias por email!

Impressões sobre uma viagem para o Japão

Home  »  ÁsiaDestinosJapão   »   Impressões sobre uma viagem para o Japão

Vou começar a escrever sobre a minha viagem para o Japão. Foi uma experiência intensa e de grande aprendizado. A viagem dos meus sonhos! Sempre havia sonhado em conhecer o Japão, sua cultura milenar e sua modernidade.

Vou dividir com vocês algumas impressões sobre os japoneses e sentimentos dessa viagem para o Japão.

Vem comigo!

Não se esqueça de fazer seu seguro viagem com a SegurosPromo. Use LETSFLTAWAY5 e ganhe 5% de desconto 🙂

Veja também: dicas para organizar sua viagem para o Japão

A época escolhida para a viagem para o Japão

viagem para o japão sakura tokyo
A sakura espalhada por Tóquio.

Eu tinha o sonho de ver a sakura, o florescer das cerejeiras no Japão. Eu planejei a viagem justamente para a época, pesquisando o período do ano ideal.

Chegar a Tóquio e ver a cidade com suas árvores rosadas foi de-ma-is!!! Emocionante.

Sim, a magia da sakura existe.

Beleza

Ah.. que lindo país.

Uma encantadora beleza natural. Inesquecível os cervos andando livremente em Nara (muitas fotos com bambis!), admirar o Monte Fuji ou a Floresta de Bambu de Kyoto.

Também há beleza no concreto de Tóquio e nas suas luzes de noite. Uma combinação de neon e modernidade.

anoitecer em tokyo skyline viagem para o japão
O skyline de Tóquio ao anoitecer.

Beleza em relembrar e honra o passado, ainda que muito doloroso, como no Parque da Paz em Hiroshima.

Beleza na delicadeza das mulheres andando de roupas tradicionais nos finais de semana. Tantas jovens vestindo cada quimono colorido mais lindo que o outro!

meninas roupa tradicional parque viagem japão
Meninas passeando em um parque no final de semana.

Belezas de muitas formas que conquistaram o meu coração.

Inglês x japonês

Me preparei muito para a viagem, a barreira do idioma era problemática.

Chegando lá, vi que o problema era maior que eu imaginava. Poucos falam inglês, até mesmo em hotéis. Por exemplo, no nosso hotel em Hiroshima os recepcionistas não falavam (isso em um hotel grande, perto da estação de trem).

Por outro lado, os japoneses que falam inglês muitas vezes têm vergonha. Sabe a busca de perfeição japonesa? Pois é, isso existe.

Então o idioma foi uma barreira, mas nada que alguns app’s (vou escrever um post com dica de todos eles) não ajudassem. Sem falar nos santos cardápios com fotos! Salvadores!

A gentileza dos japoneses

Os japoneses possuem uma enorme, imensa gentileza e disposição para ajudar. Mais de uma vez ao perguntar uma informação a pessoa simplesmente deixava o que estava fazendo para nos ajudar!

Em uma dessas vezes, um jovem casal andou uns 15min até deixar a gente no lugar! Disseram que era caminho deles, mas depois vimos que não era…

Em outra oportunidade, um senhor ficou uns 5 minutos tentando encontrar um restaurante para a gente.

São apenas algumas histórias que me emocionam recordar.

A amabilidade no atendimento nas lojas e restaurantes, com sorrisos e delicadezas, mesmo o funcionário sabendo que entendia absolutamente nada do que diziam.

Essa delicadeza foi incrível, me senti acolhida e recepcionada o tempo todo.

Segurança total

As histórias que contei ali em cima sobre alguém nos ajudar e levar a algum lugar não aconteceriam em outros países. Teríamos medo ou, no mínimo, desconfiança.

Lá nada disso passou pela minha cabeça, exceto o sentimento de que havia uma genuína vontade de ajudar o próximo, sem maldade ou risco.

O Japão é um dos países mais seguros do mundo e, de fato, não senti um momento sequer de preocupação ou medo.

Era comum ver as crianças pequenas andando sozinhas de metrô para ir ao colégio.

Andar à noite pelas ruas de Tóquio foi de uma tranquilidade absurda.

Não seria bom se todo lugar fosse igual?

O respeito ao próximo e à coletividade

Nessa viagem para o Japão aprendi que a sociedade japonesa pensa na coletividade, refletindo no constante respeito ao próximo e respeito às regras.

asakusa tokyo pessoas cheio de gente viagem japão
Um mar de gente em todo lugar.

Um bom retrato disso é a estação de metrô. Apinhada de gente, há sinalização do sentido onde se deve andar no corredor ou nas escadas. Todos respeitam, não há esbarrão. Do mesmo modo o entrar no trem: todos na plataforma esperam em fila, ao lado da porta, as pessoas desembarcarem antes de entrarem.

Outro exemplo?

Não há lixo nas ruas e tampouco lixeiras. As ruas são limpíssimas! Como assim?! Pois é, as pessoas carregam seu próprio lixo para casa, onde o descartam respeitando a regra de coleta seletiva. Limpeza urbana é algo ensinado na escola.

Você se lembra na Copa do Mundo no Brasil os torcedores catando seu lixo após os jogos? Que foi manchete de jornal? Algo tão normal para eles…

O espaço público é de todos, compartilhado.

Pequenas coisas que mostram um senso maior, fazer a sua parte para que todos se beneficiem. Um ótimo exemplo para se inspirar.

Honestidade

Na viagem para o Japão aprendi que esse conceito é muito forte naquele país.

Nas escolas são ensinadas regras básicas de convivência  simples e objetivas que fazem com que para o japonês a ideia de pegar algo que não lhe pertence ser impensável.

Para se ter uma ideia, em 2015, o “Achados e Perdidos” da Polícia de Tóquio recebeu R$ 80 milhões de dinheiro perdido. Há um centro de investigação nessa seção para tentar localizar o dono de qualquer pertence, pequeno como um guarda-chuva ou valioso como dinheiro. A filosofia é: devolver porque pode fazer falta para quem perdeu.

Outro hábito que denota isso: quando se recebe o troco em dinheiro não se deve conferir, é considerado grosseiro e ofensivo.

Por aqui vira e mexe lemos histórias sobre dinheiro perdido e recuperado. Não seria bom se esse tipo de evento não precisasse mais ser notícia de jornal?

Os rituais

Eu disse que os japoneses seguem regras objetivas e simples de convivência, não é?

Mas eles são chegados também a um certo formalismo e rituais.

viagem japão ritual
Representação do ritual do chá, de montagem de arranjo e música.

Afinal onde mais temos motorista de ônibus de chapéu e luvinha branca que, antes de começar a viagem, se apresenta aos passageiros e diz que é um prazer atender (bem, essa parte eu suponho, porque entendi nada, mas no final ele ficava se curvando em reverência…)?

Ou quando os funcionários que arrumam o trem antes da viagem se reúnem na plataforma para se curvar e agradecer? Era tão bonito isso! Um sinal de respeito à sociedade e de agradecimento por poder servir.

A cerimônia do chá, as gueixas… são tantos exemplos de uma cultura milenar que tem regras e muitos rituais.

Achei lindo esse aspecto da sociedade japonesa.

O papel da mulher na sociedade

gueixa em kyoto viagem para o japão
Gueixa em Kyoto.

A mulher japonesa é extremamente feminina e delicada. O andar, o sorriso tímido, o comportamento com o companheiro, muitas vezes andando atrás.

Para uma ocidental, que defende a igualdade de gêneros, foi estranho ver a mulher se colocando como mais frágil e submissa em um país de Primeiro Mundo.

Isso tem um motivo: a sociedade japonesa é machista. Muito.

Conversando com uma japonesa (funcionária de uma multinacional) ela me disse que em empresas, grandes ou pequenas, a expectativa em uma reunião de trabalho é que a mulher sirva o café, mesmo estando com homens que ocupem o mesmo cargo. Além disso, só deve expressar sua opinião após a manifestação de seu chefe ou sua opinião deve ser ratificada por ele.

Complicado, não é?

Foram tantas as conquistas feministas (há outras muitas ainda a serem alcançadas) e ver uma sociedade economicamente tão desenvolvida mas com tão poucos avanços nesse aspecto foi desconfortável.

Ah! Se quiser reservar hotel para sua viagem para o Japão, veja com a nossa parceria com o Booking:



Booking.com

Falta de calor humano

Somos um povo latino, gostamos de abraçar, tocar e beijar. No Japão isso não rola.

O contato físico é mínimo. As pessoas não se tocam, você não vê casais andado de mãos dadas, por exemplo.

Aliás, a própria forma de cumprimentar, inclinando a cabeça já denota esse hábito cultural.

Talvez essa falta de contato físico seja uma das inúmeras causas do baixo índice de natalidade (vi pouquíssimas grávidas!) e de que 42% dos jovens entre 18 e 33 anos sejam virgens e 70% dos homens não estejam em um relacionamento.

A ausência de calor humano ao longo das semanas foi criando em mim uma sensação de isolamento. Ver essa frieza de contato ao meu redor (apesar de toda a gentileza de tratamento, que contradição!) era angustiante. Ainda bem que eu tinha minhas amigas para abraçar à vontade!

O silêncio

Algo que chamou demais a minha atenção na viagem para o Japão foi o silêncio. A gigante Tóquio silenciosa na maior parte do tempo.

O metrô silencioso, todos voltados para seus celulares. Aliás, é proibido atender chamadas no trem (há cartazes e nas escolas é ensinado isso para as crianças).

Nas ruas, idem. Pessoas falando baixo, discretíssimas.

Tudo decorrente do respeito ao próximo.

cruzamento shibuya tokyo viagem para o japão
No cruzamento mais famoso do mundo, em Shibuya, não havia buzinas ou barulho. Só o som do caminhar.

Só de noite, a partir do happy hour, é que se começava a ouvir risadas e conversas mais agitadas. Efeito do saquê.

Não se ouve buzinas. No penúltimo dia de viagem escutei uma buzinada e foi algo tão fora do comum e destoante que doeu os meus ouvidos.

Isso passava uma sensação de tranquilidade e paz, sem dúvidas. Mas, novamente, de isolamento e angústia. Cercada de pessoas e solitária.

Não sei se conseguiria morar em um lugar assim. Tão diferente da cacofonia do Rio de Janeiro!

As máscaras cirúrgicas

Aprendi na viagem para o Japão que um mínimo resfriado é motivo para colocar máscara. Para não espalhar germes.

Isso, obviamente, decorre do respeito à sociedade que comentei lá em cima. Ora, se você está doente não pode transmitir para o próximo. Puro respeito à coletividade que já mencionei.

A poluição e a alergia são outras razões para o seu uso.

Só que existe um outro lado dessa história. O hábito de usar máscara para esconder o rosto, sem outro motivo. É uma triste questão psicológica, em especial nos jovens. Preferem andar de máscara, pura e simplesmente, por timidez, para esconder emoções, para não se destacar ou para disfarçar imperfeições.

Em um primeiro momento isso é estranho, muito estranho. Várias pessoas de máscara ao seu redor! Em todos os lugares! Ainda mais na sakura, época de alergias por conta do pólen. Mas logo você se acostuma.

As crianças

As crianças japonesas são adoráveis. Fofiiinhas!

criança vestida roupa tradicional viagem japão
Olha que coisa!

Em nossas andanças víamos muitas crianças (em grupo ou sozinhas) voltando da escola. Em total segurança e, principalmente, respeito dos adultos. Elas têm prioridade para entrar no trem, por exemplo.

Também muito comum ver grupos em passeios escolares, sempre sorrindo e dando tchau para nós turistas.

Ser ocidental, meus cabelos encaracolados e olhos claros despertavam a curiosidade das crianças, especialmente as menores. Foram muitas vezes que fui observada e outras tantas que me perguntaram de onde eu era. Quando dizia “Brasil” a resposta era sempre um sorridente “Ooooh!” rsrs

Jamais esquecerei esses sorrisos e acenos. Essa alegria infantil pura e livre.

Paraíso dos fumantes

O Japão ainda é o paraíso dos fumantes, embora essa realidade esteja mudando. O número de fumantes entre os jovens está diminuindo.

Mesmo assim, fuma-se no Japão. Em vários restaurantes não há área de não-fumantes, por exemplo.

Nos hotéis, é possível haver dificuldade de obter quarto não fumante. Eu tive problemas com duas das minhas reservas, mesmo tendo especificado o pedido nesse sentido.

É comum ver pessoas fumando na rua, embora seja proibido.

Há vários locais públicos com fumódromos, com nas estações de trem.

……………………………

Veja também:

Uma viagem para o Japão…

floresta de bambu em kyoto
Floresta de Bambu em Quioto.
  • Ver um mar de pessoas gentis e encantadoras, com um forte sentimento de coletividade, mas ao mesmo tempo solitárias. Aquela expressão “sozinho da multidão” se mostrou bem verdadeira. Algo muito contraditório, não é?

Em resumo, amei minha viagem para o Japão e vou passar todas as dicas e falar sobre os lugares incríveis que conheci nos próximos posts.

Até a próxima!

Ah! Deixe seus comentários sobre o que achou sobre as minhas impressões sobre uma viagem para o Japão.

Receba matérias por email!

Post Autor
Lulu Freitas
Carioca que ama viajar. Meu lema: "Vivo para viajar. Viajo para viver". Compartilho aqui minhas experiências de viagens pelo mundo, com dicas sobre tudo o que conheci e adorei.

comentários

36 comentários
  1. postado por
    Tina Wells
    maio 29, 2018 Reply

    Eu nunca tive vontade de conhecer o Japão pessoalmente, mas acho incrível a maneira como vivem, o respeito, a civilidade. Estou ainsiosa pelos próximos posts!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 29, 2018 Reply

      Oi Tina, obrigada! bjs

  2. postado por
    Izabel Valentina.
    maio 28, 2018 Reply

    Lulu. Vc relatou tudo como é mesmo. Com linguagem simples e bem explicado. Comcordo em tudo. E passei por todas essas experiencias e amei. Juro que pretendo voltar para conhecer o que nao deu tempo.. lendo seu blog. Me senti no japao. Obrigada, nao saberia escrever tudo que vivenciei. Nos meus 20 dias no país do Sol nascente. Sou do Parana. E os japones ficavam encantados com minha pele clara. E perguntavam. De onde eu era. E diziam que eu vim do fundo da terra ( outro lado do mundo) apontando pars o Chão!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 29, 2018 Reply

      Oi Izabel, que bom que consegui transmitir todas essas lembranças e emoções para você. Obrigada pela visita ao blog e comentário. bjs

  3. postado por
    Juliana Moreti
    maio 28, 2018 Reply

    Quantos detalhes, Lu! Adorei ler todas as tuas percepções!
    Japão é aquele lugar que me interessa, mas que não o vejo se concretizando. Me vejo distante do paìs e com teu texto consegui entender a minha resistência. Somos muitos diferentes. Não que as diferenças não me atraiam, mas creio que me sentiria muito deslocada. Achei curioso o fato deles não falarem inglês. Eu achava que seria quase uma segunda lìngua deles. Tenho uma colega japonesa, a Nao e eu a conheci por causa da lìngua italiana. Mas antes do italiano, ela è fluente em inglês! Achava que era comum por là!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 28, 2018 Reply

      Oi Ju, eu também senti esse sentimento de deslocamento. Um certa solidão, apesar de estar com duas amigas. São, sim, muito diferentes. A língua eu já sabia que seria uma barreira, não me surpreendeu. bjs

  4. postado por
    Flávia Donohoe
    maio 28, 2018 Reply

    que incrível Lu, de uns tempos pra cá estou louca pra conhecer o Japão, assim que tirar minha cidadania vou visitar esse país incrível! Parabéns pelo post super completo, já salvei nos favoritos!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 28, 2018 Reply

      Obrigada Flávia! bjs

  5. postado por
    NiKi Verdot
    maio 27, 2018 Reply

    Deve ser uma baita experiência mesmo. Também sou louca pra visitar na época da sakura. Acho muito interessante essas diferenças culturais… Mas o posicionamento da mulher na sociedade ainda me dá nos nervos. A questão do idioma eu acho engraçado… É sempre engraçado tentar se virar num país que ngm fala inglês e não sabemos a língua local kkkk… Mas é ótimo pra aprendermos a nos virar né? 😛

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 27, 2018 Reply

      Oi Niki, a parte do idioma era realmente engraçada. As pessoas falando e sorrindo e eu sem entender nada… rsrs bjs

  6. postado por
    Cynara Vianna
    maio 27, 2018 Reply

    Eu tinha a Grécia como o destino dos meus sonhos, realizei ano passado. O Japão agora assumiu esse lugar, estou planejando com calma uma viagem para o país e lendo seu post fico mais ansiosa ainda em marcar a data. As crianças são uma fofas mesmo, dá vontade de colocar no colo e trazer pra casa :).

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 27, 2018 Reply

      Oi Cynara, que bom que o post te animou! A Grécia ainda está na minha lista. bjs

  7. postado por
    Francisco Agostinho
    maio 27, 2018 Reply

    De facto é uma cultura bem diferente…Adoro isso de NÃO atender os telemóveis no metro. Há pessoal que por vezes parece que faz questão que saibamos tudo da vide deles hheeh Mas essencialmente é isso, respeito pelo próximo e pelo colectivo. Top o seu post!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 27, 2018 Reply

      Oi Francisco, concordo com você! Há pessoas que não tem noção.. rsrs. Obrigada pelos elogios. bjs

  8. postado por
    Gil Sousa
    maio 26, 2018 Reply

    Visitei o Japão há uns anos, mas o meu plano era ver as cores douradas do Outono! Infelizmente naquele ano o Verão durou um pouco mais, e quando cheguei (no final de Outubro) ainda estava tudo verde, excepto em zonas mais rurais onde vi o verdadeiro dourado do Outono 🙂

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 27, 2018 Reply

      Oi Gil, o outono é lindo por lá, não é? Fiquei tão em dúvida se iria para lá nessa época. Deve ter sido lindo! bjs

  9. postado por
    Patricia
    maio 26, 2018 Reply

    Sou muito suspeita para falar, mas adoro ler posts que falam sobre percepções do Japão.
    É engraçado ver uma sociedade tão coletiva com pessoas indivudualistas. A tradição convivendo tão bem com a modernidade.
    O Japão encanta! <3

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 27, 2018 Reply

      Oi Patrícia, sim o Japão encanta demais! bjs

  10. postado por
    Itamar Japa
    maio 24, 2018 Reply

    Que demais! Eu ainda quero conhecer a terra de meus ancestrais! Meu tio, que morou lá conta umas histórias incríveis também! País sensacional!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 24, 2018 Reply

      Oi Itamar! Sem dúvidas sensacional. bjs

  11. postado por
    Andrea
    maio 23, 2018 Reply

    Todos sofrem com o idioma né? Meu marido esteve lá (eu ainda não) e voltou falando a mesma coisa. Muito bacana o seu relato.

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 24, 2018 Reply

      Oi Andrea, obrigada! bjs

  12. postado por
    Patti
    maio 23, 2018 Reply

    Adorei Lulu! Você escreveu muito bem sobre um país que eu adoro de paixão! Parabéns pelo texto.

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 24, 2018 Reply

      Oi Patti, obrigada! bjs

  13. postado por
    Alexandra
    maio 22, 2018 Reply

    Olha o Japão tá na lista faz tempo, mas essa história do idioma não sabia. Imagina chegar lá sem falar uma palavra em japonês! Desanimei. Dicas preciosas, obrigada.

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 24, 2018 Reply

      Oi Alexandra, não desanime por conta dessa questão do idioma. Vai por mim! bjs

  14. postado por
    Fabricio
    maio 21, 2018 Reply

    Em agosto eu me mudo pra Ásia e quero muito visitar o Japão, esse post foi um achado! Ajudou demais o meu planejamento.

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 22, 2018 Reply

      Que bom que achou útil, Fabricio. bjs

  15. postado por
    Ana Carolina Miranda
    maio 21, 2018 Reply

    Tóquio é um lugar que quero muito conhecer e concordo com você sobre escolher a época certa, pois ver as cerejeiras no Japão deve ser maravilhoso! Ótimas dicas

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 22, 2018 Reply

      Obrigada Ana Carolina! bjs

  16. postado por
    Eloah Cristina
    maio 21, 2018 Reply

    Que experiência magnifica!
    Engraçado que tinha estas impressões do Japão e agora que você confirmou eu realmente quero conhecer. Obrigada por compartilhar.

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 22, 2018 Reply

      Que bom que gostou do post :). bjs

  17. postado por
    Aline Rodrigues
    maio 21, 2018 Reply

    Ai, gente! Deve ter sido uma experiência única, né? Tão distante, diferente! Nossa, o idioma seria um problema pra mim também – ainda mais porque também não falo inglês!

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 21, 2018 Reply

      Aline, foi uma viagem inesquecível. Como eles também não falam muito inglês, o idioma é uma barreira para qualquer um. rsrs bjs

  18. postado por
    Katarina
    maio 21, 2018 Reply

    Que experiência incrível, Lu! Curioso que mesmo estando em um lugar tão diferente (Polônia), notei muitas semelhanças, como esse silêncio e falta de calor humano. Talvez por comparar com nós latinos que somos tão calorosos e expansivos. Temos que tentar achar beleza em todas essas culturas, né? Por isso viajar é massa 🙂

    • postado por
      Lulu Freitas
      maio 21, 2018 Reply

      Oi Katarina, que observação interessante! Sim, ser latino nos tornam mais calorosos. bjs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais fotos de minhas viagens

Siga o blog no Instagram, por lá rolam muitas outras fotografias dos lugares mais lindos que já visitei. São fotos de viagens, lugares, roteiros de viagens e dicas com passeios surpreendentes.

Junte-se ao Instagram