Receba matérias por email!

Não tenha medo de viajar sozinho

Home  »  Diário de BordoInspiração   »   Não tenha medo de viajar sozinho

Não tenha medo de viajar sozinho. Não é um bicho de sete cabeças, só um jeito de viajar diferente de quando se está com amigos, família ou namorado.

Quando digo que vou viajar sozinha as coisas mais comuns que escuto são “que coragem”, “tenho medo” ou “que inveja”. Como viajar sozinho desperta reações tão diferentes!

Claro que ser mulher sempre traz alguns aspectos particulares ao viajar sozinho, mas isso vou falar em outro post.

Como resolvi viajar assim? Sempre fiz viagens curtas a trabalho, um dia de correria e pronto. Até que um dia queria tirar férias e estava sem companhia. Respirei fundo e fui passar uma semana na Holanda. Resultado: foi uma das experiências mais libertadoras que vivi.

A partir de então tudo mudou. Um sentimento de que o mundo não tem limite. Quero ir para um lugar? Vou! Quero comer em algum lugar? Vou!

A verdade é que viajar sozinho é muito bom. Tão bom que você pode acabar não querendo viajar de outro jeito… rsrs

Vou falar de alguns dos medos mais comuns de se viajar sozinho e tentar mostrar que é possível superá-los.

mulher dentro de aviao olhando pela janela

Qual o seu medo de viajar sozinho?

Medo da solidão

Para mim, esse é o mais óbvio. O mais difícil de se enfrentar. Afinal você precisa, antes de tudo, poder conviver com si mesmo 24 horas por dia! Na nossa correria do dia a dia e cercado de pessoas acabamos nos distraindo (ou fugindo) disso.

Só que viajar sozinho não significa solidão. Você fará amigos no caminho, onde menos esperar. Lembro estar indo para o Keukenhof e houve um problema com o trem. De repente, fiquei amiga de um casal fofo da Austrália e acabamos fazendo outros programas juntos em Amsterdã.

Se hospedar em um hostel ou fazer um tour em grupo durante a viagem é uma forma de também conhecer pessoas e interagir.

Além disso, é um excelente exercício para vencer a timidez. Eu sou super introvertida e hoje me vejo tomando atitudes que não faria há algum tempo atrás.

Se não sente confiança, comece aos pouquinhos. Primeiro um dia, depois um final de semana e por aí vai.

Medo de ficar doente

Qualquer um pode ficar doente em qualquer lugar. Evidente que se isso acontecer com você fora de casa e longe da família é sempre complicado.

Como resolver esse medo? Duas coisas: (1) leve uma farmacinha básica na mala; e (2) contrate um seguro saúde.

Os remédios na mala são essenciais porque pode ser muito complicado comprar remédio no exterior (digo por experiência própria!) e resolverão problemas simples como uma gripe. Já o seguro viagem é um pequeno gasto extra no custo da viagem que dá o sossego de que se algo mais grave acontecer você terá toda assistência médica necessária.

Por exemplo, o meu irmão teve uma intoxicação alimentar braba em uma viagem nos EUA e precisou acionar o seguro. Foi parar em um hospital (de ambulância!), recebeu atendimento e não teve qualquer despesa extra. Imagina se ele não tivesse o seguro?

homem dentro do aeroporto sentado sozinho

Medo de se perder

Ah! Eu já me perco aqui no Rio hahahaha

Piadas à parte, com um mapa na mão e perguntando pelo caminho se tiver dúvidas, não há como se perder. Quem tem boca vai a Roma! Ok, essa coisa de perguntar é muito mais fácil para as mulheres. Os homens, em geral, acham que não precisam perguntar e mesmos perdidos fazem aquela cara de “tudo sob controle, sei para onde estou indo”.

Se perder também pode não ser tão ruim assim. Afinal, sair do roteiro pode levar a um lugar incrível que sequer imaginava conhecer.

Lembro estar andando por Soho de Nova York, queria voltar para o meu hotel e de repente entrei em uma rua errada mas cheia de lojas incríveis! Não teria passado por ali se não tivesse “errado”.

Por garantia, anote o nome e endereço do hotel para uma emergência (vai que você não sabe voltar e precisa se informar, não é?).

Claro que em tempos de Google Maps e outros aplicativos, se você tiver uma internet no celular o risco de se perder é quase zero.

Outra dica para enfrentar esse medo é pesquisar pelo Google Maps o roteiro aeroporto/rodoviária/estação de trem x hotel e ter isso em mãos quando chegar no seu destino, bem como fuçar o Street View ao redor do hotel. Isso dá uma sensação de familiaridade e segurança.

Medo do idioma

Pois é… português não é uma língua muito popular….

Já vi cenas engraçadíssimas de brasileiro no exterior, falando beeeem alto e beeeem pausado achando que a outra pessoa vai compreender tudinho… rsrs O pior é que no final todos acabam de alguma forma se entendendo!

Moral da história: o idioma é uma barreira que pode ser vencida.

Ah! Estou dizendo isso porque falo inglês fluente? Isso, de fato, é maravilhoso, facilita muito, só que não dominar outro idioma não pode ser um medo para você viajar. Até porque saber inglês não é garantia que você conseguirá se comunicar.

No interior da Alemanha, por exemplo, as pessoas não falam inglês (aquela frase “todo mundo fala inglês na Alemanha” para mim foi lenda). Nem por isso deixei de passear, comer e me divertir.

Hoje há aplicativos de celular que traduzem, o Google Tradutor está aí para não me deixar mentir.

No pior dos mundos, use a língua universal da mímica!

Ok, ainda assim não tem coragem? Viaje pelo Brasil! Ou pelos países do Mercosul, afinal quem não fala portunhol?

mulher sozinha na praia brincando no mar

Medo de violência

Vivemos no Brasil! Temos medo disso aqui! Vai usar isso como desculpa?!

Se você não for para uma área de conflito ou visada por terroristas (infelizmente, um mal atual) o perigo de violência provavelmente será maior do que aqui.

Risco de roubo tem em qualquer lugar. Por exemplo, em Paris os avisos para tomar cuidado com a bolsa dentro do metrô são onipresentes.

Logo, tome a cautela que adotaria se estivesse acompanhado e aqui no Brasil, não tem diferença: (1) bolsa ou mochila sempre na frente do corpo e bem fechada em lugares cheios; (2) atenção em lugares muitos turísticos; (3) dinheiro no cofre do hotel ou naquela pochete dentro da roupa; (4) leve um cartão de crédito extra por segurança, deixando protegido junto com o dinheiro; e (5) idem com o passaporte, só andando com uma cópia na bolsa.

Além disso tudo, cuidado por onde anda. Não entre em uma viela esquisita nem vá para um bairro perigoso. Exatamente o que você faria por aqui, não é?

——————————————-

Espero que tenha gostado do texto e ajude a superar os medos (e preconceitos) e crie sua curiosidade sobre viajar sozinho.

Deixe seus comentário! Diga o que acha de viajar sozinho.

Receba matérias por email!

Post Autor
Lulu Freitas

Carioca que ama viajar. Meu lema: “Vivo para viajar. Viajo para viver”. Compartilho aqui minhas experiências de viagens pelo mundo, com dicas sobre tudo o que conheci e adorei.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais fotos de minhas viagens

Siga o blog no Instagram, por lá rolam muitas outras fotografias dos lugares mais lindos que já visitei. São fotos de viagens, lugares, roteiros de viagens e dicas com passeios surpreendentes.

Junte-se ao Instagram